2014-12-07

OS NÍVEIS DA CURA.



O equilíbrio em todos os aspectos da vida é uma condição difícil de ser alcançada. Atravessamos muitas situações complexas, arrastando conosco o fruto de nossas atitudes do passado, e com certeza, a maioria das pessoas gerou determinados carmas em suas existências anteriores que predispuseram à criação de certas perturbações.
Renovar-se promovendo um realinhamento com padrões mais equilibrados é um processo difícil, até porque a multidão prossegue na ignorância, agindo de maneira a tumultuar sua organização vital. Os desafios vão desde a alimentação incorreta, os vícios, a vida sedentária e um conjunto de atitudes que perturbam o espírito, pela repetição de práticas que acabam por roubar a paz.
A saúde física, mental e emocional é uma conquista muito difícil, em meio ao caos da vida contemporânea. Todo ser humano encarnado na Terra está mais ou menos enfermo, e uma completa cura obedece a vários procedimentos que nem todos estão dispostos a praticar.
A vida saudável exige muita disciplina e desapego, e raríssimos são os que se dispõem a manter uma rotina de boa conduta, no sentido da alimentação, exercícios físicos e combate ao stress de maneira equilibrada.
No campo mental, a multidão prefere cultivar as futilidades e o interesse contínuo por assuntos que não envolvem a busca de sabedoria.
No campo emocional o descontrole é ainda maior, deixando-se o ser humano arrastar por uma enxurrada de estados de espírito pouco harmoniosos, sem saber como modificar seus padrões vibratórios para uma condição mais estável e tranquila.
Porém, existe um procedimento, que muitos exercem por instinto, ou por seguir as práticas de uma determinada religião, que pode ajudar a sanar as nossas debilidades existenciais: a mentalização.
Dentro de uma gama ampla e variada de contextos em que a mentalização ou ideoplastia pode estar sendo exercida, temos a prática da oração, a auto-sugestão, os rituais, e atualmente há um pequeno grupo que exercita a decretação, como forma consciente de gerar forças harmonizadoras.
O poder criador do ser humano é inerente à natureza. Um espírito é ao mesmo tempo a força vital e expressão criativa do universo. Seu potencial é tão vasto que em condição mais aperfeiçoada é capaz de estar se responsabilizando pela criação de mundos, como um co-criador da realidade cósmica.
Mas vamos nos ater ao nosso momento. Este poder humano, capaz de conceber e pôr em movimento as mais diversas formas de energia, e também atrair aspectos da criação que seriam favoráveis à sua jornada, é capaz de prodigalizar a cura das enfermidades, e principalmente a cura no nível mais básico, a cura espiritual, fazendo cessar as causas de futuras doenças. É capaz de harmonizar a vida no dia-a-dia, trazendo conforto e paz, firmeza onde se faz necessária, alegria e a certeza de um futuro feliz.
Quando pensamos, movimentamos forças cósmicas. Não há pensamentos inertes. Tudo que pensamos e sentimos está movimentando uma determinada configuração das forças do mundo invisível. Mas há poderes que para serem manifestos em um nível capaz de atingir a nossa realidade mais densa, precisam de um empenho maior, uma concentração maior e mais firmeza na manutenção desta força de atração. É a junção de nossa criação mental com as camadas vibratórias de poderes da cura contidos no plano sutil.
A realidade das chamas, ou raios, como tem sido descoberta por um crescente número de pessoas, é que as forças cósmicas de que falamos, as vibrações específicas que possuem, as fazem assumir uma determinada coloração. A nossa aura por exemplo, terá a coloração resultante do contexto de nossos estados de espírito. Na aura existe a cor base e as cores que se manifestam de acordo com o que estamos vivenciando. A cor base é fruto da média de nossos padrões de conduta, nossa configuração estabelecida por sentimentos que são uma constante em nosso íntimo. E as cores resultantes podem estar sendo geradas pelo uso da vontade. Uma bela descrição para o ser, numa visão dimensional mais elevada seria a de uma fogueira de cores.
Portanto quando estamos mentalizando as chamas, estamos na verdade atraindo a sua natureza vibratória, as virtudes presentes em todo o cosmos, que as fazem vibrar com uma determinada coloração. Se pensamos na cura, é estabelecida uma coloração esverdeada. Se temos pensamentos de espiritualização e elevação do ser, manifesta-se a cor violácea. Ou, se, vice-versa, pensamos nestas cores, seus poderes inerentes estarão sendo atraídos para nosso benefício, para um incremento em nossas forças, e estabilização dos nossos estados de espírito.
Utilizemos então estes poderes criadores para manifestar e atrair as energias que estão ao nosso inteiro dispor para estabelecer a cura nos mais profundos níveis aos quais vamos conquistando merecimento pela manutenção das boas energias. Que isto seja irradiado não só para nossas vidas, mas também para nosso mundo.

Que o amor seja firmado na Terra.

*

Targon Darshan