2014-09-05

OS TEMPOS ESTÃO MUDANDO.

Os Tempos Estão Mudando




Relatório da Energia Astrológica de Setembro de 2014


Canal Sarah Varcas

01/09/2014

Depois da pressão intensa (tanto positiva quanto negativa) que muitos experimentaram em agosto, setembro de 2014 chega como um alívio!
Este mês nos oferece uma espécie de pausa na qual podemos recuperar o fôlego, tirar uma folga e nos ajustarmos ao nosso “novo normal”.
Houve um tema energético recente que pode ser mais bem caracterizado como o “retorno dos reprimidos”. Este termo freudiano é usado para designar a emergência na consciência de pensamentos, sentimentos e memórias reprimidos, muitos dos quais podemos pensar que já estavam resolvidos.
Tal processo ocorre com frequência em épocas de mudanças intensas, em grande parte porque é o nosso inconsciente que conspira para impedir que mudemos de qualquer forma que provoque alterações fundamentais em nossa vida.
Em fases como a que passamos nestes últimos meses, as portas do inconsciente estão escancaradas e todos os medos reprimidos, emoções repelidas e desejos ignorados estão saltando para fora para assaltar nossos sentidos e fazer o máximo que podem para nos impedir de sair da nossa zona de conforto.
Justamente quando pensávamos que já tínhamos conseguido lidar com a nossa falta de auto-estima, bam! O complexo de inferioridade levanta sua cabeça horrorosa, como há muito tempo não víamos.
Justamente quando pensávamos que a depressão com a qual lutamos durante tanto tempo estava curada, lá vem ela de novo, penetrando cada canto com sua presença pesada, opressiva.
Justamente quando pensávamos que realmente conseguimos lidar com “toda essa questão da compaixão”, percebemos que não suportamos ficar na mesma sala que determinada pessoa, pois temos vontade de arrancar sua cabeça!
Podemos acabar sentindo que nada mudou e somos simplesmente a mesma pessoa que éramos há um, dois, dez ou vinte anos atrás!!!
O outro lado dessa moeda são as mudanças rápidas que ocorreram para muitos nos dois últimos meses. Houve uma abundância de progresso positivo na vida de algumas pessoas, mas, mesmo assim, isto não veio sem estresse!
Grandes mudanças geralmente vêm sem garantias. Sabemos o que devemos fazer e que no momento é inevitável que o façamos, mas não sabemos qual será o resultado disso, apenas que não podemos permanecer na situação em que estamos. Damos um salto de fé e torcemos pelo melhor.
Onde quer que nos encontremos nesse leque de experiências, setembro nos oferece uma oportunidade de processar mais profundamente tudo o que vem acontecendo nas últimas semanas e de voltar para nós mesmos no meio de toda essa mudança.
Durante todo o mês de setembro, uma aliança entre Saturno em Escorpião e Nodo Norte em Libra, fornece o pano de fundo energético. Isto nos encoraja a assumir os aspectos do nosso eu-sombra, que podem estar causando aborrecimentos e permitir que eles nos mostrem onde e como precisam ser acomodados de modo a se alinharem com o fluxo da vida neste momento.
O problema da sombra é que nós permitimos que ela se isole e nos envergonhe no silêncio. É por isto que a reprimimos, negando os pensamentos e sentimentos que nos causam tanta consternação. Raiva, desespero, ódio, ciúmes, medo, sentimentos de rejeição, de indignidade… qualquer um ou todos esses e outros mais podem ser lançados ao inconsciente para manter nossa consciência de cada dia livre de tais emoções perturbadoras.
O processo parece saudável e eficiente, mas, na prática, não funciona tão bem. A quantidade de energia utilizada tentando manter tudo escondido, ainda que inconscientemente, é uma energia que não temos à disposição para o nosso bem estar. É como deixar um aparelho elétrico ligado quando não precisamos dele. É caro e desnecessário. A energia é preciosa. E exige respeito!
A coisa mais engraçada sobre o inconsciente é que todos nós temos um e, em grande parte, seus conteúdos são os mesmos que os de todas as outras pessoas. Os detalhes podem variar um pouco, mas basicamente é aquele pântano habitual de raiva, luxúria, inveja, medo, blá, blá, blá.
Estamos simplesmente escondendo aquilo que todos nós compartilhamos, mas de alguma forma, em algum ponto do caminho, adquirimos a crença de que só nós é que temos esses sentimentos e realmente precisamos assegurar que ninguém mais descubra isso, senão teremos todo tipo de problema!!!
É assim que, coletivamente, evitamos que qualquer um admita seus próprios erros e nos asseguramos de que ninguém denuncie o que realmente está acontecendo na psique humana.
Então, por que estou falando tudo isto?
Porque setembro é um ótimo mês para normalizar aquilo que todos nós compartilhamos; para aceitar, sem alvoroço ou alarde, que todos nós temos essas tendências estranhas e às vezes preocupantes e que tudo isso faz parte da condição humana, não é nenhuma aberração terrível com a qual apenas nós, pessoalmente, fomos contemplados.
Raiva, ciúme, depressão, ódio, desespero, impulsos violentos, luxúria… seja o que for que não queremos admitir, podemos ter certeza de que há milhares de outras pessoas por aí não querendo admitir essas mesmas coisas!!! Aparentemente, é isto que nos torna humanos!
Não precisamos fazer um drama enorme disso, lamentando-nos e batendo no peito. A simples aceitação de que tudo isso faz parte do território humano pode limpar toda uma carga de dor e tensão na hora.
Setembro pode ser o mês de “sair do armário do inconsciente” e se conseguirmos fazer isso, todos nós nos sentiremos mais relaxados ao final deste período!
Depois da primeira semana do mês, durante a qual poderemos nos assentar no terreno do baixo-drama, aceitando que “isto é exatamente do jeito que é”, teremos uma Lua Nova em Peixes em conjunção com Quíron. Esta é uma Lua poderosamente curadora, mas poderá vir com sensibilidade excepcionalmente elevada por alguns dias, de ambos os lados.
Certifique-se de agendar algum tempo fora e evitar ambientes e atividades estressantes, se possível.
Quando Quíron é iluminado por uma Lua Cheia, há um poder curativo enorme para “download”, mas como a cura nos leva de volta a um estado de inteireza, os desequilíbrios mantidos anteriormente podem ficar particularmente evidentes por algum tempo.
Neste caso, é útil lembrar que energia é simplesmente energia, não é nem boa nem ruim, apenas neutra, portanto qualquer coisa que nos aflija pode ser transmutada em algo que nos cure, se assim permitirmos. Entretanto, se nos identificamos demasiadamente com a dor e o desespero, nós os solidificamos e criamos estruturas energéticas muito mais difíceis de serem transmutadas e modificadas.
Esta Lua Cheia fala da cura necessária devido à nossa rejeição anterior às emoções difíceis. Os desequilíbrios que ela procura corrigir são aqueles criados pela negação. Ela nos pede para sentir plenamente tudo que venha à tona agora, mesmo que acreditemos que isto irá nos oprimir. Não vai.
Ao permitir que os sentimentos sejam sentidos plenamente e sem julgamento, estamos convidando a cura para a nossa vida e permitindo que nosso campo energético se reequilibre e realinhe. 
Este é o momento de observarmos nossos pensamentos com um ar de desligamento, de distanciamento, de nos recusarmos a acreditar no que eles nos falam de nós mesmos. Não somos os nossos pensamentos nem nossos sentimentos, mas algo muito mais constante e confiável que repousa por trás deles.
Somos a Presença que pode observar pensamentos e sentimentos chegando e indo embora, a força vital que sussurra suavemente por trás de todo drama, paixão, desespero, alegria e raiva. Esta Lua Cheia nos chama a nos identificarmos com isso, não com o conteúdo fugaz da mente, e a nos reconhecermos como algo muito mais presente e vibrante.
Poucos dias depois da Lua Cheia, Marte entra em Sagitário (em 13/14 de setembro) oferecendo uma elevação e um pouco de energia positiva para fortalecer nossa jornada. Este movimento de Marte vem com inspiração e motivação.
A cura da Lua Cheia pode realmente deixar sua marca agora, à medida que avançamos cada vez menos sobrecarregados pelo peso das velhas energias que nos limitam e definem de uma forma que já não é mais apropriada para quem somos.
Marte permanece em Sagitário até o fim de outubro, portanto temos um aliado útil aqui, que pode nos ajudar a manter o otimismo nos momentos difíceis e a ficar focados no objetivo, quando tivermos a sensação de que é necessário um esforço imenso para alcançá-lo.
No dia 16 de setembro chega uma ajuda extra sob a forma de uma aliança entre Urano, Quíron e Júpiter que permanece até o começo de outubro. A liberdade está inquestionavelmente no ar, se a reivindicarmos. Mas isto precisa ser uma escolha e precisamos nos comprometer com ela, mesmo quando as coisas ficarem difíceis!
Esta não é uma liberdade sem preço. Esta liberdade vem à custa da segurança, certeza e previsibilidade. Ela desafia nossas suposições e corta grilhões que talvez preferíssemos conservar neste momento!
Mas se conseguirmos permitir que esses grilhões sejam cortados e manter a fé que com isso algo muito maior poderá surgir em nossa vida, então as duas últimas semanas de setembro nos encontrarão preparando o terreno para os dois eclipses de outubro, o primeiro dos quais (Eclipse Lunar em 8 de outubro, GMT) será particularmente libertador! (falarei mais sobre isso quando estiver mais perto…)
O dia 22 de setembro verá Plutão estacionar direto em Capricórnio. Retrógrado desde meados de abril, ele nos revelou alguns lugares escuros e dolorosos, tanto no nível pessoal quanto coletivo.
Questões de poder, vingança, ressentimento e ódio foram abundantes, ao lado de um fortalecimento daqueles que estavam preparados para encarar tais sofrimentos, olhar através deles e enxergar clareza e liberdade do outro lado.
A revolução de Plutão neste mês dá mais peso ao tema da normalização da sombra a fim de podermos assumir nossos erros. Não há necessidade nenhuma de vergonha ou medo, se estivermos preparados para assumi-los e lidar com eles conscientemente, passando a conhecer nossa psique num nível mais profundo e infinitamente mais íntimo.
Muitos de nós temos procurado intimidade com outros, especialmente com aquele outro “especial”, mas evitamos a intimidade conosco mesmos em primeiro lugar.
Neste mês, os céus nos chamam à auto-intimidade antes de tudo: à determinação de deixar de lado a vergonha e acolher tudo o que somos e temos para compartilhar com outros.
A Lua Nova no segundo grau de Libra, em 24 de setembro, marca o início da temporada de eclipses que durará até o fim de outubro. O Símbolo Sabiano para este grau representa um aumento na frequência de luz, uma atualização vibracional, definindo o cenário para os próximos eclipses de outubro e oferecendo indicação clara e inequívoca de seus potenciais!
É muito encorajador ver este grau do Zodíaco enfatizado agora, depois dos temas deste mês. Ah, o poder da aceitação para esclarecer e iluminar! Esta Lua Nova faz exatamente isso, demonstrando o porquê de todo esse trabalho interno desafiador
O mês se encerra com o Sol em Netuno num alinhamento em quincunce, entre os dias 26 e 30, conectando a vontade divina com a nossa vontade pessoal. Esta conexão não vem sem desafios, pois poderemos perceber clara e precisamente onde não estamos dispostos a nos render a um entendimento maior, preferindo manter nossa perspectiva pessoal por mais algum tempo!
Mas não nos preocupemos: só conseguimos avançar até onde podemos, e se tivermos que ficar onde estamos, está tudo bem também.
Uma temporada de eclipses sempre vem com paradas e partidas, e se isto for uma parada, uma partida ocorrerá em seguida, antes do que pensamos! Então, onde quer que nos encontremos no final deste mês, podemos ter certeza de uma coisa: os tempos estão mudando… e nós com eles.
Sarah Varcas
Tradução de Vera Corrêa veracorrea46@ig.com.br